Chuva no radar

Editoria: 

Na próxima sexta-feira, 01/12, acontece na Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (USP/ESALQ) a 2ª Reunião Científica do projeto SOS-Chuva (http://sigma-soschuva.cptec.inpe.br/workshopesalq/)

Com a  aproximação do verão, a região Sudeste registra seus maiores índices pluviométricos. As chuvas, de maior ou menor intensidade, podem causar alívio aos níveis dos mananciais e reservatórios e, ao mesmo tempo, podem significar estado de alerta para ocupações em áreas de risco ou culturas agrícolas que demandam de quantidades determinadas de água.

Entender a dinâmica das nuvens e desenvolver um sistema de alerta de tempestades intensas e estimativas de intensificação da precipitação com aplicações diretas a sociedade, com ênfase na Defesa Civil, tráfego aéreo, agricultura, geração de energia e abastecimento de água é o objetivo do projeto temático SOS Chuva. A iniciativa é coordenada por Luiz Augusto Toledo Machado (INPE/CPTEC), tem apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e participação do professor Felipe Pilau, do Departamento de Engenharia de Biossistemas da Esalq. “A inovação dessa iniciativa é mapear a previsão imediata de chuva em um curto intervalo de tempo”, aponta o docente da Esalq.

Como aplicação do projeto, os interessados podem baixar em seu dispositivo móvel o aplicativo SOS-Chuva (disponível para iOS e Android), a partir do qual é possível obter informações em tempo real sobre a previsão de chuvas no Estado de São Paulo. “O app oferece interface amigável e nos dá informações a partir de radar. Diferente dos dados provenientes das estações meteorológicas, a coleta do radar tem cobertura mais ampla e precisa”, complementa Felipe Pilau.

Agricultura -  Além dos benefícios para a Defesa Civil, o projeto prevê, a partir de 2018, a versão do app SOS-Chuva para o desenvolvimento da agricultura. Segundo o docente da Esalq, que coordena essa etapa, serão incorporadas informações sobre o acúmulo de chuvas ao longo de um determinado período, balanço hídrico, entre outros. “A vantagem é que o agricultor não ficará com dependência exclusiva das estações, uma vez que os radares oferecem dados mais precisos, em tempo real e com cobertura espacial completa”.

Aplicativo para celular e tablet permite acompanhar chuvas em tempo real (crédito: Caio Albuquerque)

Produzido pela Siesalq

Copyright © 2015 ESALQ/USP