AGROdestaque entrevista Luiz Gustavo Franzini (F-2012)

Editoria: 

Atuação profissional
Cientista dos alimentos formado em 2012. Durante a graduação, participei do Grupo de Estudo e Extensão de Inovação Tecnológica e Qualidade do Pescado (GETEP) e do Grupo de Extensão em Segurança dos Alimentos (GESEA). Tive a oportunidade de fazer parte do Programa de graduação sanduíche CAPES BRAFAGRI como bolsista durante o ano de 2011/2012, cursando disciplinas da área de alimentos na Ecole Nationale Vétérinaire, Agroalimentaire et de l'Alimentation, em Nantes, na França. Em 2013, entrei para a Leão Alimentos e Bebidas, empresa do grupo Coca-Cola Brasil, responsável pela fabricação dos sucos Del Valle e atuei diretamente na área de sistema de gestão da qualidade, com foco em segurança de alimentos e nas certificações ISO 9001 e FSSC 22000. No ano de 2015, ingressei na Kerry, empresa irlandesa líder mundial na área de taste and nutrition, na qual trabalhei com segurança de alimentos, reclamações de clientes e na certificação de FSSC 22000. Desde Julho de 2016, atuo na área de qualidade corporativa da divisão de águas da Danone, líder mundial em produtos lácteos frescos e água engarrafada.

A que área ou setor se dedica atualmente? Descreva as atribuições pertinentes ao cargo que ocupa. Qual a importância delas para o mercado?
Atualmente, componho a equipe de qualidade corporativa da divisão de águas da Danone. Sou responsável por coordenar a implementação e manutenção do sistema de gestão da segurança de alimentos, com base nos requisitos do grupo Danone e da FSSC 22000 (Food Safety System Certification), nas quatro fábricas do Brasil e também pelo gerenciamento dos indicadores de qualidade a nível Brasil.

O mercado brasileiro está em constante atualização no que se refere à segurança de alimentos e como forma de diferenciação, muitas empresas buscam certificações reconhecidas mundialmente. No Brasil, possuímos atualmente aproximadamente 300 empresas certificadas em FSSC 22000 e, a cada ano que passa, novas organizações são certificadas. Os atendimentos aos requisitos reconhecidos a nível mundial garantem uma maior segurança dos produtos ofertados aos consumidores, oferecendo assim maior satisfação e consequentemente uma melhor imagem das companhias no mercado.

Quais os principais desafios desse setor?
Buscar estratégias que permitam elevar a qualidade e segurança dos alimentos, reduzindo reclamações de clientes e consumidores e garantindo a produtividade e a lucratividade da companhia.

Que tipo de profissional esse mercado espera?
O mercado espera um profissional multidisciplinar, que consiga ter uma visão abrangente do negócio e que possua boa comunicação com todos os níveis da organização. É fundamental que o profissional sempre busque atualizações relacionadas à segurança de alimentos (legislações, estudos, certificações, Benchmarking com outras organizações).

Entrevista concedida a Ana Carolina Brunelli, estagiária de Jornalismo
11/11/2016

Cientista conta sobre sua atuação no setor de segurança e qualidade de alimentos (Crédito: Divulgação)

Produzido pela Siesalq

Copyright © 2015 ESALQ/USP